Linda Martins, 18, Salvador. Livros (os que leio e os que escrevo), cristianismo, estudos aleatórios e comida definem minha vida. Em constante evolução.

ENTREVISTA
Rudson Xaulin

RESENHA
Um beijo inesquecível

AUTORAIS
Baed

4.1.17

Projeto Jill, reflorestamento e novos ares para Rudson Xaulin

Quem acompanha o blog deve considerar o nome citado no título, no mínimo, familiar: Rudson Xaulin. Em 2013 (quanto tempo!) nós fizemos uma entrevista com o escritor que estava lançando seu livro "Um Projeto de cão chamado Jill", conversamos sobre outros livros publicados e projetos para o futuro - vide post na caixa de destaque. Agora, quatro anos depois, o Carpecult encontrou novamente Rudson, com novos projetos em mente, 3 livros publicados em 2016 e um novo "estilo" de obra, até então inédito para seu público, a ser lançado em 2017. Segue o post e confira as novidades:

2016 foi ano dos livros "Palavras das Sombras", "Árvore de Luz" e "Contos da Pedra", todos pertencentes ao mesmo gênero literário, basicamente compostos por crônicas, poemas e contos; o primeiro, "Palavras das Sombras", com crônicas focadas num incentivo à gratidão pela vida e positividade. "Contos da Pedra", composto por poemas e rimas, traz uma característica marcante do autor: rock n'roll. Os poemas são inspirados de canções dos Rolling Stones, Beatles, Guns n' Roses, AC/DC e outros artistas. Segundo o escritor, o livro inteiro é rimado, como se cada música ganhasse um "lado B", fazendo o leitor cantarolar e querer dedilhar um violão. "Árvore de Luz", seguindo também toda uma premissa de positividade, é feito de contos natalinos e alvo de um dos novos projetos do autor.

2017, entretanto, apresentará livros com uma roupagem diferente do que se está acostumado a ver no trabalho de Rudson: prosa. O escritor aposta no audacioso "Caos", o extenso livro que pode transformar-se numa trilogia, com um universo distópico que possui características vistas em Mad Max, Twisted Metal, Walking Dead e o Livro de Eli. Além deste, o futuro lançamento "Estágios do Inferno, Bastidores do Paraíso" também segue o estilo de prosa e fala sobre a mente humana e as intensas e muitas vezes confusas relações entre as pessoas, abordando a intensidade de sentimentos como paixão, ternura, tristeza e raiva.



"Um Projeto de cão chamado Jill", o livro tema da entrevista de 2013, dá origem ao "Projeto Jill", uma campanha que aborda a questão social dos cães abandonados, fornecendo casinhas de cachorro que são espalhadas por pontos de Cachoeirinha, Gravataí, Canoas e Porto Alegre. "Árvore de Luz" também acompanha um projeto social, desta vez, voltado para o reflorestamento, promovendo a plantação de mudas de árvores pela cidade. Conversando com o escritor, o Carpecult descobriu que o "Projeto Jill" oferece ajuda não somente a cães abandonados, mas também asilos e creches, fornece livros gratuitos para escolas da região e outros serviços sociais. Acompanhe abaixo a pequena entrevista onde Rudson Xaulin fala mais sobre estes projetos e experiências na carreira:

Como surgiu a ideia do Projeto Jill e do reflorestamento?

A ideia do Projeto Jill surgiu no início do ano que passou, mas eu esperei os meus novos lançamentos saírem de fato, para ter mais material para apresentar para as pessoas, no intuito de conseguir ajuda para fazer as casinhas, através de doações de pessoas ou de empresas. Montamos um flyer com toda minha história, dos livros e tudo o que eu já consegui sozinho, e isso eu mostrei para os meus amigos, os que eu sabia que iriam ajudar e deu certo. Depois eu falei com meu pai, que fez a primeira casinha que foi pra rua, me ajudou a fazer mais 4 que foram pra rua e hoje eu as faço sozinho, com a minha esposa pintando todas elas, e conto com a ajuda de um amigo, que tem uma empresa de ônibus de turismo, para fazer as entregas. Ou seja, fizemos dezenas de casinhas, e postamos isso todos os dias, contando com os meus mesmos amigos ajudando, e buscando novas pessoas para ajudar. Tem dado certo. Todas as casinhas são de cor padrão, amarelas, com tom de roxo e rosa nos detalhes, igual a capa do livro "Um Projeto De Cão Chamado Jill". Isso ajuda para as pessoas reconhecerem o projeto, saberem o que estamos fazendo e para onde as casinhas estão indo. Eu fico feliz em fazer isso tudo acontecer, mas nada sairia do papel se a Jill não existisse, então eu faço o melhor que posso, como uma forma de agradecer a ela, tudo o que de bom tem me acontecido, desde que o livro dela nasceu. Eu espero que ela esteja feliz...

E há uma meta de alcance desses projetos?

Não existe uma meta em números, isso eu deixo apenas para os meus livros, onde sempre digo, que quando eu escrever 100 livros, eu paro definitivamente... Do lado do Projeto Jill, quero chegar no número de 200 casinhas na rua nesse ano novo, seria um número incrível de atingir, e ele seria sempre batido nos próximos anos. Eu acho que se você alcança um número, é apenas para superar ele, mas de fato não existe um número limite para as casinhas, enquanto tudo for indo como está e se a Jill quiser, nós vamos continuar... Quanto o projeto de reflorestamento, baseado no meu livro "Árvore de Luz", tem alguns fatos bem legais: Minha ideia era ter 20 mudas de inicio, e colocar em pontos bem visíveis da cidade, e eu fixei o número 20 na minha cabeça. Mas a natureza é linda, e ao mesmo tempo estranha. Eu tenho um jardim em casa, consideravelmente grande, e tenho 5 grandes árvores no meu terreno. Nesse meu jardim, apenas nele, encontramos mais de 200 (duzentas) mudas de árvores. Temos ameixeiras, pitangueiras, caneleiras, ficus, coqueiros, amoreiras, aroeiras e mais duas que eu ainda não identifiquei. Então eu vou preparar todas elas, e devem sair pra rua nesse mês, e vamos de imediato ter 200 mudas novas nas ruas, 10x mais do que eu pensei em um primeiro plano. Com esse número, que a natureza me presenteou, a menos de 4 metros da janela da minha cozinha, não seria justo eu não fazer disto algo muito grande. Quem sabe passamos das milhares de mudas apenas nesse ano, então se em 2017 eu atingir mil mudas, eu ficaria muito feliz. E como eu disse antes, esse número tem que ser batido no ano seguinte, mas nunca chegar num limite...

Palavras Abraçadas foi uma antologia que reuniu vários escritores, incluindo você, e foi para a Bienal Internacional de São Paulo. Como foi participar disso?

Foi incrível participar da Antologia Palavras Abraçadas. Foi um convite lindo, e quando percebi que estava entre os melhores do ano, fiquei muito feliz. Fui convidado para mais antologias, de versos, poemas, contos e até de composições musicais (o que achei o máximo, eu tenho mais de 100 músicas, pelo menos eu considero música), então eu valorizo tudo o que me acontece, desde tudo o que falamos nesse post, essa entrevista e todo o apoio. Por isso usar o Carpecult como meio de divulgação é maravilhoso, lá atrás, quando eu tinha um livro, alguma coisa no lado independente e ninguém sabia quem eu era, vocês fizeram as postagens com toda qualidade que podiam. Então é um honra voltar aqui hoje, com uma bagagem enorme, e poder agradecer, assim, vocês percebendo tudo o que eu conquistei, e não seria possível se não fosse por toda ajuda dos blogs sérios. Então muito obrigado... Ah, e só pra saber, tenho 35 livros prontinhos, esperando a luz do sol, eu volto aqui pra divulgar, com certeza. Muito obrigado, por tudo!

Segue abaixo outras imagens do projeto e contato para quem quiser participar: 






Contato:
Facebook (link)
email: rudson_xaulin@hotmail.com