Linda Martins, 18, Salvador. Livros (os que leio e os que escrevo), cristianismo, estudos aleatórios e comida definem minha vida. Em constante evolução.

ENTREVISTA
Rudson Xaulin

RESENHA
Um beijo inesquecível

AUTORAIS
Baed

26.6.14

Li até a página 100 e... #02 A Lista de Schindler



A Lista de Schindler
Thomas Keneally

Olááá! 
Então, o último "Li até a página 100 e..." que fiz foi sobre "Orgulho e Preconceito e Zumbis" no final do ano passado. Confesso que já passei da página 100 há muito tempo, inclusive estou terminando esse livro, mas eu tinha pensado em fazer essa tag e acabei esquecendo, enfim, ela só saiu hoje, me desculpem pelo atraso. hehe

PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100:

"Mas mesmo mais tarde, em 1941, Biberstein e seu conselho ainda mereciam o respeito dos judeus de Cracóvia."
DO QUE SE TRATA O LIVRO?

  O livro fala basicamente sobre Oskar Schindler, um rico industrial alemão que abriga e protege milhares de judeus em sua fábrica. Ele faz de tudo - e gasta muito dinheiro - pra manter esses judeus vivos e com relativo conforto em meio ao nazismo. Um lugar na lista de Schindler era a única chance de um judeu se livrar dos horrores dos campos de extermínio.

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL?

  Então, é quase impossível não gostar do Schindler. O bom desse tipo de livro é perceber que nem todo mundo sucumbiu ao nazismo, que ainda havia pessoas boas, pessoas que eram contra o sistema e que lutaram para acabar com ele.

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:

"Relatar agora tais ocorrências é repetir lugares comuns da História. Mas, para alguém que viesse a saber delas em 1942, vê-las desabar sobre sua cabeça era um choque profundo, um tumulto na área do cérebro onde as ideias estáveis se alojam."
       - Sobre os campos de concentração de Belzec e Auschwitz. 

VAI CONTINUAR LENDO?

  Claro! A Lista de Schindler tem sido uma ótima leitura para mim - apesar de triste - e uma forma de entender melhor como funcionou o regime naquela época.

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100:

"Biberstein e Chaim Goldfluss, Secretário da Habitação, conseguiram um intermediário, um Volksdeutcher chamado Reichert, que mantinha contatos com a SS e com a administração municipal."