Linda Martins, 18, Salvador. Livros (os que leio e os que escrevo), minimalismo, estudos aleatórios e comida definem minha vida. Em constante evolução. Se você for suficientemente observador, verá que esta bio é diferente da bio do ano passado.

ENTREVISTA
Rudson Xaulin

RESENHA
Um beijo inesquecível

AUTORAIS
Baed

20.2.17

[RESENHA] Infância, adolescência, juventude - parte 2 (e 3)

*não me responsabilizo pela possível presença de spoilers nesta resenha 



[...] Para ser específico, o momento em que "Adolescência" se inicia está na página 77, com Nikolai em seus 12 anos, agora órfão de mãe e com uma nova perspectiva de mundo se abrindo para ele já nos primeiros dois capítulos; esta é uma fase de transição, repleta de instabilidade, onde seu deslumbramento infantil começa a ser desfeito e substituído conforme a realidade externa se torna perceptível. 

O aspecto analítico de Nikolai, já apresentado em Infância, torna-se mais presente e se aprofunda conforme os problemas e injustiças a sua volta se tornam mais palpáveis. Quando criança, questões como as disparidades entre as classes sociais da sociedade vigente lhe eram nítidas, mas sua tenra idade e a compreensão ainda rasa do que acontece mantinham o personagem na total indiferença. Entretanto, a partir do momento em que tais assuntos afetam diretamente sua vida e suas relações de amizade, como acontece logo no início da nova fase, Nikolai é forçado a analisar o mundo com maior atenção. Conforme os anos se passam, seus conflitos existenciais deixam de ser rompantes de raiva inexplicável para se tornar perguntas nítidas em sua mente, a maioria delas voltadas a quem ele é, e o que se tornará no futuro. 

"A ideia se transforma em convicção só por um determinado meio, que muitas vezes é inesperado e diferente dos caminhos que outras mentes percorrem para chegar às mesmas convicções. Para mim, esse meio foi a conversa com Kátenka, que me emocionara fortemente e me obrigara a refletir sobre seu futuro."

Eu decidi fundir a parte 2 e 3 desta resenha - "Adolescência" e "Juventude", que seriam resenhadas separadamente - porque estas se tratam de fases intimamente ligadas, que compartilham da maioria dos receios e questionamentos, com níveis de profundidade diferentes. Tolstoi descreve tais fases, e a turbulência que predomina em momentos de transição, de forma tão crível e pessoal que o aspecto autobiográfico se torna cada vez mais nítido. Entretanto, como se imagina em obras que tenham qualquer aspecto biográfico, não há pretensão de lições de vida por aqui; o autor expõe seus defeitos, complexos, momentos de estupidez e egoísmo de forma tão clara e corajosa que o leitor se sente em seu cérebro, com todos os seus pensamentos às claras. 

A típica baixa auto-estima adolescente se revela aqui também, com um bônus; esse tipo de visão inferiorizada de si próprio se mantém e se enraíza em "Juventude". Conflitos quanto a auto-afirmação e identidade em grupo abre um link entre as duas fases, tornando-as mais próximas do que geralmente se imagina. A insegurança de Nikolai quando se trata de aparência física desencadeia isolamento em "Adolescência". Em "Juventude", esta mesma insegurança desencadeia um estado de vaidade e elitismo descabido (se prepare para encontrar a expressão "comme il fault" muitas vezes), onde Nikolai esconde sua necessidade de auto-afirmação na identidade coletiva de membro da nobreza. 

O posfácio vai oferecer um resumo da biografia do autor, o que se encaixa para alguém que está tendo um primeiro contato com suas obras. Infância, Adolescência e Juventude possui um caráter nitidamente inicial, como se este fosse um universo incompleto, uma porta de entrada para outros livros que vão concluí-lo. O universo em questão, como se percebe em toda a leitura, e se confirma na história de vida do seu autor, é o cérebro e as vivências de Tolstói, que parecem lhe servir como combustível para a escrita.

"De modo geral, começo a me curar de meus defeitos da adolescência, com exceção, talvez, do principal, que ainda me prejudicaria muito na vida: a tendência para filosofices."