Linda Martins, 18, Salvador. Livros (os que leio e os que escrevo), minimalismo, estudos aleatórios e comida definem minha vida. Em constante evolução. Se você for suficientemente observador, verá que esta bio é diferente da bio do ano passado.

ENTREVISTA
Rudson Xaulin

RESENHA
Um beijo inesquecível

AUTORAIS
Baed

2.12.13

[RESENHA] Reiniciados


ReiniciadosAs lembranças de Kyla foram apagadas, sua personalidade foi varrida e suas memórias estão perdidas para sempre. Ela foi reiniciada. Kyla pode ter sido uma criminosa e está ganhando uma segunda chance, só que agora ela terá que obedecer as regras. Mas ecos do passado sussurram em sua mente. Alguém está mentindo para ela, e nada é o que parece ser. Em quem Kyla poderá confiar em sua busca pela verdade?

Devo confessar que terminei essa leitura bem rapidinho, não só pela linguagem ser fluída e simples, mas também porque a estória me envolveu bastante. Reiniciados apresenta o mundo em um futuro muito próximo - especificamente, a estória é ambientada em 2054 - onde a ciência fez uma grande descoberta, que, na teoria, se torna uma segunda chance para criminosos condenados à execução: a reinicialização. Significa que ao invés de morrer, você terá sua memória e personalidade completamente apagadas, tendo direito a uma nova vida, em que você terá sua chance de se redimir e se tornar uma pessoa apta a conviver em sociedade.

O legal de tudo isso é o tempo em que as coisas acontecem. No meu caso, eu estou acostumada com cenários futurísticos de no mínimo 100 anos a partir da era que vivemos agora, mas em Reiniciados, o espaço de tempo não é tão grande assim, o que nos faz pensar num mundo parecido com o que vivemos, porém, inserindo a possibilidade de apagar a memória das pessoas. Então, durante a leitura eu comecei a me perguntar: E se isso estivesse acontecendo agora?

Kyla Davis, nossa protagonista, é uma reiniciada. Porém, diferentemente dos outros, ela costuma se perguntar muito sobre o seu passado, e todo esse questionamento a leva a descobrir coisas, que, para sua própria segurança, era melhor que ela não soubesse. Kyla começa a descobrir que o governo não segue tanto à risca o que dizem e nem todos os reiniciados foram criminosos em suas "vidas" passadas. Reiniciados apresenta aquela velha fórmula de distopia YA: governo autoritário, ciência avançada e romance adolescente.

No meio de todas as perguntas e pesadelos de Kyla, surge Ben, um outro reiniciado. Os dois começam a ter uma relação significativa depois que Tori, amiga de Ben, desaparece. Outras pessoas também começam a sumir ou ser levadas por Lordeiros - o que basicamente, seria a polícia - e juntos, Ben e Kyla começam a investigar todos esses sumiços, o que, com certeza, vai colocar suas vidas em perigo.

Como todo reiniciado, Kyla recebe um novo nome e uma nova família, que também tem um papel importante na estória, principalmente Sandra, mãe dela. Confesso que gostei bastante dela; é interessante ver o quanto as duas vão se aproximando no decorrer do livro. Há outros personagens importantes, como a Doutora Lysander, que ainda é um enigma para mim, eu realmente não sei o que pensar dela...

Reiniciados foi uma boa leitura para mim. Eu gostei da escrita de Teri Terry, sem muitas enrolações, mas também sem ser rápida demais. O primeiro livro, com seus enigmas e personagens contraditórios, deu um bom gancho para o que está para vir no segundo.